script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js">

pop up livro 2

Untitled Document
Compre o seu

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

OPINIÃO: Mesmo representando 54% do eleitorado, força da mulher ainda é subestimada em Serra Talhada; confira os dados

Por Paulo César Gomes, professor, escritor e colunista do Farol

No último mês de julho Serra Talhada retomou para o si o título de “Capital da Beleza Feminina”, uma honraria que reflete a importância da mulher para nossa história, não só pelo quesito beleza. Mas por buscar através da formas mais singelas as alternativas para superarem o machismo explícito que domina a cidade.

Infelizmente, as mulheres serra-talhadenses ainda são impedidas de ocuparem espaços relevantes na política local, um bom exemplo é a forma como a vice-prefeita, Tatiana Duarte, foi tratada durante os quatros anos de mandato. Ela foi posta na condição de “vice decorativa”, sem ter voz e nem vez. Justamente ela que foi a primeira mulher a ocupar o cargo.

O curioso é que as mulheres representam 54,06% do eleitorado em Serra Talhada, o que significa dizer que 29.242 estão aptas a votarem. Outro dado interessante é que 7.414 mulheres possuem o ensino médio completo (o antigo 2º Grau), enquanto apenas 4.950 homens concluíram essa etapa de nível educacional. As mulheres também lideram o quesito nível superior, onde 2.726 já possuem o diploma universitário, enquanto apenas 1.257 homens conseguiram concluir um curso superior.

Os dados do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) nos levam a crer que as mulheres possuem mais qualidades para votarem com consciência do que os homens. No entanto, o que vemos na prática é que o sexo feminino está excluído do universo da política local. Para os “caciques”, o lugar da mulher é no meio da rua, segurando bandeiras e distribuindo panfletos nos porta a portas.

A realidade é ainda mais cruel quando percebemos que as mulheres que disputam vagas para a Câmara de Vereadores são apenas 32, a exata quantidade exigida por lei para que uma chapa seja registrada na Justiça Eleitoral.

Muitas delas dão o nome apenas para compor as chapas, o que levam elas a terem uma votação baixa, o que leva elas posteriormente se tornarem motivo de ironias e de gozação. Das 32 candidatas apenas três parecem possuir fôlego para vencer a “macharia” que domina a Câmara de Vereadores. Vera Gama, Alice de Izivaldo e Tatiana Duarte vão ter que suar a camisa para conseguir uma das 17 cadeiras.

Já na disputa majoritária a vitória feminina parece ser bastante difícil, isso por que a chapa de Otoni Catarelli, que tem na vice a professora Maraisa, vem encontrando bastante dificuldade para emplacar a campanha nas ruas. Mas Maraisa pode se orgulhar de um fato marcante. Mesmo sendo uma professora, possui um patrimônio maior que o do prefeito da cidade.

Enquanto a professora do ensino fundamental declarou possuir uma casa no valor de R$ 40 mil, o prefeito declarou um patrimônio que não condiz com a arrecadação salarial de quem já foi por 3 anos secretário de governo, 8 anos vice-prefeito e 3 anos e 8 meses prefeito. Bem que o prefeito Luciano Duque poderia abrir mão do salário. Quem sabe assim a coisa ficaria bem menos demagógica.

Diante do exposto é preciso que se diga que está na hora das mulheres serra-talhadenses ocuparem os seus lugares na história. Derrubando as barreiras e vencendo os preconceitos. Exercendo um papel que não é o de serem coadjuvantes, mas de protagonistas na cena política de Serra Talhada.

Um forte abraço e até a próxima!

domingo, 21 de agosto de 2016

Foto da primeira grande reforma feita na Praça Sérgio Magalhães em Serra Talhada

Paulo Cesar Gomes - Professor, Escritor e Pesquisaor

praça sergio
Foto da Praça Sergio Magalhães logo após a sua primeira reforma, que ocorreu nas vésperas das comemorações dos 100 anos de emancipação política da cidade. No centro é possível identificar o famoso “tanque de água” e o abrigo que ficava no final da praça. Merece destaque o volume de água no Rio Pajeú e na Lagoa Maria Timóteo, bem como as poucas moradias que existiam no bairro Bom Jesus.

A outra grande reforma feita na Praça ocorreu na década de 70, desde então não foi feita nenhuma grande mudança na estrutura física do local. É importante registrar que os últimos bancos da praça que foi construída nos anos 50, encontram-se instalados no pátio do Colégio Municipal Cônego Tôrres sem que exista nenhuma identificação.  Assim como tantas outras imagens, essa foto também é de um fotógrafo desconhecido.  Qualquer informação sobre o autor deve ser enviado para o e-mail pcgomes-st@bol.com.br .

domingo, 14 de agosto de 2016

PROFISSÕES ESQUECIDAS: O ex-agricultor que ganha a vida entre bolas e chuteiras e ainda alimenta sonhos


chico
Por Paulo César Gomes, especial para o Farol- Fotos: Alejandro Garcia

Francisco de Assis Ribeiro da Silva, de 53 anos, conhecido popularmente como Chico Caxixola, tem uma história de vida cheia de altos e baixos. O ex- agricultor, que sobreviveu durante anos fazendo redes de pescar, encontrou no mundo do futebol a sua grande chance de mudar de vida. Porém, ao contrário do que se imagina, ele não se tornou um craque dos gramados, mas um profissional que ganha à vida consertando bolas e chuteiras.

A vida de Chico Caxixola começou a mudar em 1999, quando ele estava desempregado e já tinha um filho pequeno em casa e sua esposa estava grávida. Foi em meio ao desespero de não ter o que dar a família que ele pediu a Deus que lhes mostra-se um caminho. “Não tinha emprego. Ai eu disse: Meu Deus me amostre um meio! Ai um dia estava jogando uma pelada e um cara que tava jogando do meu lado perdeu o solado da chuteira e gritou: quem coloca solado de chuteira! Ai disse: Eu! Mesmo sem nunca ter colocado eu arrisquei acabei aprendendo. Graças a Deus, hoje não falta um trocado. Antes quando trabalhava na roça era mais difícil”, relata Chico.

Ao longo desses 17 anos, Caxixola foi juntando dinheiro e hoje já possui uma casa própria. Por semana ele conserta de 20 a 30 chuteiras e de 50 a 60 bolas. Ele leva em média 25 minutos para colocar a sola de uma chuteira que chega há durar oito meses. O conserto de uma chuteira varia entre a R$ 15 e a R$ 35. Um dos grandes desafios da profissão do ex-agricultor são os constantes avanços tecnológicos do mercado esportivo, que entre outras coisas, já produz bolas sem costuras. No entanto, Chico Caxixola, como um bom empreendedor adverte os clientes sobre os perigos dessas novas bolas.

“Eu aviso logo a quem vai comprar. Se furar perdeu a bola. Tem umas bolas que vem boa. Têm outras que são tudo ruim, vem com a câmara de ar toda reciclada que não tem como colocar um remendo, e aí o camarada compra e quando fura fica no prejuízo”, explica Caxixola.

PROIBIÇÃO E FALTA DE APOIO NÃO SÃO OBSTÁCULOS PARA O TRABALHO SOCIAL

O ex-agricultor relata com tristeza o fim de um trabalho social que desenvolvia nas áreas do rio Pajéu, em um campo que ficava nas proximidades da ponte que dar acesso ao bairro da Caxixola. “A gente passou mais de 10 anos treinando uma turma de 50 meninos em um campo nas áreas do rio. A gente tirava o lixo dos arredores e mantinha tudo direito e ai veio um doutor e disse que era dono do terreno (leito do rio) e pediu pra gente não jogar mais ali”, desabafa Chico.

Mesmo diante da atitude arbitrária do suposto proprietário das áreas do rio Pajeú – área pública que pertence a União -, o rapaz não desistiu. Pouco tempo depois ele conseguiu com a autorização de Onquinha Novaes um terreno para construir um campo de várzea nas proximidades da linha férrea da Transnordestina e a 300 metros do CEU das Artes do bairro. Aliás, esse é um dos únicos campos de várzea existentes na área urbana de Serra Talhada, o outro é conhecido como o “voo da morte”, e fica no bairro da Borborema.

“Lá no nosso campo joga uns 60 meninos. Eu pego as chuteira abandonas pelos campos que a gente joga, conserto e dou aos que não tem com que jogar. Infelizmente falta apoio, por isso a gente faz um apelo a quem quiser ajudar com qualquer coisa que ligue para número (87) 9.9636-7578”, encerra Chico Caxixola. O homem que enfrentou as adversidades com coragem, busca na sua história um ingrediente a mais para semear esperança para adolescentes que vivem a margem da sociedade. Um forte abraço e um feliz dia dos pais para todos os faroleiros e faroleiras!

chico 2
chico 3
chico 4

OPINIÃO: Analisando pesquisa Múltipla, colunista do Farol diz que guia eleitoral pode mudar o jogo em Serra Talhada

Por Paulo César Gomes, Professor, escritor e colunista do Farol

Pesquisa Farol/Múltipla revela um cenário extremamente tranquilo no caminho da reeleição do prefeito Luciano Duque (PT). Um dos fatores que levaram o prefeito a subir mais de 10% em relação à última pesquisa foi sem dúvidas a adesão de Dr. Nena (PTB) e Augusto César (PTB) ao palanque petista.

Por outro lado, a falta de um discurso mais consistente de oposição de Victor Oliveira (PR) fez com que ele (Victor) não crescesse no mesmo ritmo do prefeito. Um bom exemplo é o discurso forte adotado´por Dr. Nena – antes de renunciar a candidatura -em relação a Duque, que o colocou em segundo lugar nas pesquisas, superando os republicanos Dr. Fonseca – que desistiu da candidatura – e o próprio Victor.

Posto tudo isso é possível dizer que essa “segurança” administrativa que paira sobre o prefeito está até agora decidindo o jogo a favor dele, ao mesmo tempo em que seu principal opositor ainda é desconhecido da grande maioria da população. Sendo assim, os inícios da campanha de rua e do guia eleitoral no rádio ainda podem mexer no cenário eleitoral.

Ao PT cabe cautelar e serenidade. E ao PR cair em campo. Se possível colocar candidato a prefeito e o vice para fazerem campanhas separadas. Outro detalhe é referente ao PC do B, representado por Otoni Cantareli, que precisa engrossar o discurso, caso contrário não conseguirá eleger um vereador.

Um forte abraço e até a próxima!

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Imagens do encontro histórico entre Tallita Martins e Matilde Terto;

matilde e tallita
Por Paulo César Gomes, especial para o Farol / Fotos: PC Gomes

Um encontro histórico! Essa é a síntese do evento promovido pelo produtor do concurso Miss Pernambuco, Miguel Braga, que reuniu no último dia 9 em seu apartamento, duas gerações que representam a história de Serra Talhada e do estado de Pernambuco no quesito beleza. De um lado a exuberância e a maturidade de uma mulher realizada e muito feliz, representada por Matilde Terto (Miss Pernambuco 1976) e do outro a meiguice e o carisma de uma jovem determinada e cheia de sonhos, retratada na imagem de Tallita Martins (Miss Pernambuco 2016).

As duas misses serra-talhadenses conversaram bastante e fizeram muitas poses para uma reportagem da página digital do Diário de Pernambuco. Conversando com o FAROL, Matilde Terto não escondeu a emoção em encontrar a sua sucessora. “Fiquei muito feliz com a vitória de Tallita, ela é uma menina de ouro. Farei o que for possível para que ela conquiste o Miss Brasil”, declarou Terto.

Bastante entusiasmada, Tallita se derreteu em elogios a sua conterrânea. “Ela é muito linda! É impressionante como ela conserva os seus traços dos tempos de miss e como ela é super alto astral”, reforçou a Miss Pernambuco, que durante o último final de semana visitou Serra Talhada, confessou que ficou muito emocionada ao encontrar com uma admiradora de 100 anos de idade. “Nossa! Foi uma surpresa encontrar com ela. O sonho dela era encontrar com uma miss e usar a coroa. Eu fiquei feliz por realizar o sonho dela”, relatou Martins.

matilde e tallita 2
matilde e tallita 3

domingo, 7 de agosto de 2016

VIAGEM AO PASSADO: Nos bons tempos, o CIST era tratado como um patrimônio da sociedade serra-talhadense



cist
Na foto pode se ver a grandiosidade do CIST – Clube Intermunicipal de Serra Talhada-, que durante décadas foi o ponto de encontro da sociedade serra-talhadense. No entanto, um legado de mais de 60 anos se perde em meio às ruínas, talvez se houvesse um interesse em preservá-lo o processo de tombamento do local já deveria ter sido iniciado.

Em cidades de médio e grande porte, clubes como o CIST são tombados pelos órgãos de proteção ao patrimônio público com a finalidade de proteger a arquitetura, a cultura e a memória histórica da cidade.

A foto é da década de 1950, foi tirada da torre da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Penha, porém, como na maioria das fotos que registram a história de Serra Talhada, o autor é desconhecido. Para maiores informações, por favor, entrar em contato pelo pcgomes-st@bol.com.br.

CIST HOJE
cist

CHEGADA DA MISS PE: Tallita é homenageada na Câmara de Vereadores de Serra Talhada; veja fotos


tallita-câmara-farol (3)
Foto: Farol de Notícias / Manu Silva

Após enfrentar uma verdadeira maratona que incluiu um reencontro com a família; visita ao colégio onde cursou o ensino médio; almoço com os produtores; consulta médica; passagem rápida no salão de beleza e poses para muitas fotos com fãs; a Miss Pernambuco, Tallita Martins, foi recepcionada no final da tarde desta sexta-feira (5) pelo prefeito do município, Luciano Duque, no Posto 411. De lá, a Miss Pernambuco desfilou em carro aberto por ruas da cidade. Durante o percurso ela foi seguida por uma carreata que relembrou os tempos áureos dos anos 70, década em que a cidade conquistou o tri-campeonato do concurso estadual com Cilene Aubry (1974), Fátima Mourato (1975) e Matilde Terto (1976).

Durante o trajeto, Tallita foi ovacionada pela população, que aglomerada em esquinas e canteiros das avenidas, aplaudia com entusiasmo a vencedora do título máximo da beleza pernambucana. Entre os sons dos fogos de artifícios e buzinas, era possível ouvir gritos de alguns admiradores da jovem: Parabéns! Linda! Rainha! Ela, com seu jeito simples de ser, retribuía o carinho recebido com sorrisos e o tradicional aceno com a mão feito pelas misses. Após a carreta a Miss foi homenageada na Câmara de Vereadores.

tallita-câmara-farol (10)
No plenário da Casa Legislativa, Tallita posou para várias fotos mostrando ser uma jovem atenciosa e alegre. Em meio à mesa formada por autoridades locais estava Miguel Braga, produtor do concurso de Miss Pernambuco há 26 anos. O evento também contou com a presença de outras misses, entre elas, Poliana Oliveira, Katarina Rodrigues, Gabriela Leal e Malena Lopes, que apesar de não terem conquistado a faixa e a coroa do concurso regional, também deram as suas parcelas de contribuição ao representarem a cidade com orgulho e determinação.

Em sua fala na tribuna, a nova Miss Pernambuco agradeceu o apoio de todos os serra-talhadenses e os amigos, bastante emocionada ela expressou a sua gratidão aos pais, avós e a Romildo Duarte. Ao encerrar o seu discurso Tallita Martins demonstrou que esta muito focada na tarefa de trazer o título de Miss Brasil para Pernambuco, para ilustrar tal postura ele fez uma junção entre o hino de Serra Talhada e o de Pernambuco, “a rosa do Sertão vai representar com muito orgulho a terra dos altos coqueiros. Quero trazer o título de Miss Brasil para Pernambuco!”, concluiu a bela serra-talhadense.

tallita-câmara-farol (19)tallita-câmara-farol (1)tallita-câmara-farol (17)tallita-câmara-farol (18)tallita-câmara-farol (7)tallita-câmara-farol (4)tallita-câmara-farol (6)tallita-câmara-farol (8)tallita-câmara-farol (5)tallita-câmara-farol (9)tallita-câmara-farol (20)tallita-câmara-farol (21)
Compartilhe isto:

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

OPINIÃO: Pernambuco precisa abraçar Tallita Martins para que ela possa conquistar o Miss Brasil

tallita-martins (3)
Fotos: Orlando Teles / Alejandro García

Por Paulo César Gomes, professor, escritor e colunista do Farol

Passado um pouco da euforia com o titulo de Miss Pernambuco, conquista que não ocorria desde 1976, agora é hora de por em prática a “tática girafa”, pés no chão e cabeça nas nuvens. Pois bem, temos então a Miss Pernambuco Tallita Martins como a nossa representante no concurso nacional, com possibilidades reais de ser eleita a Miss Brasil. A nossa jóia sertaneja tem uma trajetória vencedora que é pouco comum as demais misses, já que ela vem vencendo etapa por etapa com muito talento e carisma.

Aos 17 anos Tallita foi eleita Miss Estudantil, aos 19 Miss Serra Talhada, e agora aos 20 anos conquista a coroa de rainha da beleza estadual. É inegável a sua predestinação para vencer desafios. Porém, a cada passo que dá é necessária que uma nova sintonia seja criada, uma nova estrutura de ideias e conjunturas seja concretizada para projeta-la além das demissões territoriais do nosso estado. Ela agora é a Miss Pernambuco! Tallita agora tem que ser abraçada por todo o estado. E o primeiro passo nesse sentido tem que ser dado pelos seus conterrâneos. Sendo assim, este sonhador inveterado propõe algumas ideias no sentido de tornar Tallita uma miss com projeção nacional.

Miss (4)
Um dos primeiros passos é a criação de um site com todas as informações sobre ela, vida, carreira profissional, álbum de fotos, vídeos, entrevistas, links para as redes sociais e outras ferramentas que possam popularizar sua imagem. Principalmente, sua identidade como uma autêntica pernambucana, uma mulher que conhece o estado do Sertão ao Litoral. Nessa perspectiva é preciso que se divulgue tudo que ela faça em blogs, jornais da capital e nas emissoras de rádio e Tv. Tudo isso já pode começar a ser feito a partir de Serra Talhada, através dos sites de noticiais, das rádios e das retransmissoras da Tv Jornal e da Tv Globo.

Nessa estratégia algumas personalidades cumprem papel importante. O secretário Sebastião Oliveira tem a obrigação de agendar uma audiência de Tallita com o governador do estado. O deputado Augusto César tem o dever de organizar uma solenidade na Assembleia Legislativa de Pernambuco e a apresentação de uma Moção de Aplauso. O prefeito Luciano Duque e a Câmara de Dirigentes Lojistas devem se comprometer com o envio de pelo menos dois ônibus com serra-talhadenses para o Miss Brasil que será realizado em outubro.

No restante, ela será muito bem preparada pelos produtores Miguel Braga e Romildo Duarte. Agora não basta torcer, é preciso participar! Tallita Martins agora representa a mais bela bandeira e o mais lindo hino desse país. Ela traz no sangue a valentia de um povo com histórico de lutas e conquistas. E por que não dizer: Tallita também sintetiza a força, a garra, a determinação, a simplicidade e a beleza das mulheres pernambucanas!

Boa sorte Tallita Martins, a sua cidade e o seu estado estão torcendo por você!

misspe-746x410
Compartilhe isto:

terça-feira, 2 de agosto de 2016

OPINIÃO: Se não mudar o cenário, Duque será reeleito; mas pode ser o maior vexame de um político em Serra Talhada

Por Paulo César Gomes, Professor, escritor e colunista do Farol

A última pesquisa do Instituto Múltipla/Farol, mostrou mais uma vez a situação confortável do prefeito Luciano Duque (PT) com 51,3% das intenções de voto. Se mantido esse percentual o prefeito poderá ser reeleito com uma das maiores vantagens da história. Porém, é preciso ter cuidado com a soberba, já que a “cachaça 51” em excesso pode causa alucinações etílicas e uma baita ressaca.

A receita para o prefeito ser reeleito é a base de dose diária de equilibro e controle emocional, um deslize besta, como por exemplo, o gesto do então prefeito do Recife, Roberto Magalhães (DEM), que as vésperas da eleição de 2000 deu uma “banana” para a militância do PT e acabou com isso sendo derrotado nas urnas. Outro perigo é quando for necessário segurar uma queda nas pesquisas, ao mesmo tempo em que Victor Oliveira (PR) começar a crescer, gerando uma onda positiva em torno do candidato republicano. Essa onda, também chamada de efeito manada, pode destruir os planos do prefeito petista.

Enquanto isso, o candidato Victor Oliveira até o momento só vem captando os votos que eram destinados a Dr. Fonseca e a Marquinhos Dantas. Apesar do crescimento bastante considerado, o seu partido comete um erro estratégico ao priorizar a zona rural ao invés da área urbana. Visitas a feira livre, a porta de escolas e faculdades teriam mais efeito do que as que são feitas a sítios, pelos menos nesse momento. Para quem precisa ganhar a confiança do eleitor, ser conhecido passa a ser decisivo, principalmente em uma campanha tão curta. Por isso que o correto é que as informações saiam dos grandes grupos da sociedade (jovens, profissionais liberais, funcionários públicos, aposentados, donas de casa, formadores de opinião etc.) e depois cheguem à zona rural.

Para Victor vencer Luciano a estratégia de campanha tem que ter uma precisão cirúrgica, qualquer erro só favorece o petista. Também há que se destacar a necessidade da presença do secretário Sebastião Oliveira, que é o motivador desse grupo, é o comandante dessa tropa. Sem a presença dele as coisas ficam soltas, as peças chaves não cumprem o seu papel (os cardeais). Se não mudar o cenário Luciano será eleito com a maior diferença já vista em uma eleição municipal, mas se for derrotado, vai ser o maior vexame de um político na história de Serra Talhada. As peças já estão no tabuleiro… Então vamos ao jogo!

Um forte abraço e até a próxima!

domingo, 31 de julho de 2016

VIAGEM AO PASSADO: Um panorama sobre a Serra Talhada dos anos 30, no auge da força do ‘ouro branco’, o algodão


serra anos 30
A foto em destaque foi tirada de cima da chaminé da usina de beneficiamento de algodão que fica localizada na Rua Cornélio Soares. A imagem registrada entre o final dos anos 30 e início dos anos 40, mostra a frente da antiga prefeitura municipal – onde hoje funciona o prédio da coletoria estadual -.

Também merece atenção o espaço onde foi construída a Concha Acústica, que na época era chamada de Rua João Pessoa. Outro detalhe importante é que s algarobas que ficam ao lado da Igreja do Rosário ainda não haviam sido plantadas, fato que só ocorreu após ano de 1943.
Quem tiver informações sobre o autor da foto deve enviar os dados para o e-mail pcgomes-st@bol.com.br para o devido registro e a catalogação do material para fins de pesquisa cientifica (dissertação de mestrado).

sexta-feira, 29 de julho de 2016

OPINIÃO: A trajetória de Tallita Martins teve início como representante de uma escola da zona rural de Serra Talhada


miss pe
Foto: Arquivo Farol de Notícias

Por Paulo César Gomes, Professor, escritor e colunista do FAROL

Após 40 anos de espera Serra Talhada pode ostentar com orgulho o título de Miss Pernambuco. A jovem Tallita Martins, de 20 anos de idade, dona de medidas perfeitas, 1,74 de altura, 88cm de busto, 91cm de quadril e 61cm de cintura, entra para a história como a quarta serra-talhadense a receber a coroa de Miss Pernambuco.

Quis o destino que o dia 28 de julho, que é lembrado como a data da morte de Lampião, fosse também o dia em que Serra Talhada retomou o posto de “A Capital da Beleza Feminina”. A faixa que passou quatro décadas longe da cidade, volta após meses de intenso trabalho da equipe da RD Produções, liderada por Romildo Duarte, que logo após o concurso fez um desabafo, “a coroa volta para o Sertão depois de 40 anos. Cabe agora a sociedade reconhecer”.

Durante as últimas semanas a cidade foi tomada por um sentimento de euforia e de expectativa em torno do concurso. Pouco mais de 70 serra-talhandeses acompanharam o desfile no foyer da Faculdade Universo, na Imbiribeira, em Recife. Enquanto outros milhares acompanharam pelas redes sociais e pela internet. Tallita conquistou o público e os jurados com muita desenvoltura, elegância e simpatia. A nova Miss Pernambuco disputou com outras 28 candidatas do Sertão, Zona da Mata, Agreste e Região Metropolitana. Corpo de jurados foi formado por 18 representantes das áreas de moda, consultoria, jornalismo e sociedade civil.
Na etapa final do concurso Tallita superou as candidatas Gleicyane Bezerra (Fernando de Noronha ) e Roberta Xavier (Vitória de Santo Antão) e recebeu de Sayonara Veras – Miss Pernambuco 2015 – a faixa e a  coroa de representante máxima da beleza estadual.

INÍCIO DA CARREIRA

A carreira de Tallita teve início em 2013, quando foi eleita Miss Estudantil. No entanto, ela só entrou na disputa porque foi incentivada por amigas e por sua professora. “Concursos de beleza sempre me atraíram, mas foi uma professora minha chamada Maria Aguiar que despertou isso em mim. Eu era aluna dela quando a mesma me falou do concurso. No primeiro momento resisti, mas logo comecei a pensar a respeito disso, minhas amigas também diziam a mesma coisa, que eu tinha perfil para a área de miss e de modelo. Falei com meus pais e nesse momento procuramos a professora que me apresentou ao pessoal da RD produções e Eventos”.

Mesmo com o apoio dos pais a jovem teve que enfrentar um pequeno contra tempo até ser eleita a bela estudante do município. “Quando decidi participar na época à representante da escola já tinha sido escolhida. Fiquei arrasada, mas de imediato a diretora da Escola Brás Magalhães, que fica localizada no IPA, me escolheu como representante daquela unidade escolar. 17 garotas disputaram o título, o concurso foi acirradíssimo, mas graças a Deus me logrei vencedora. Depois daí não parou de aparecer propostas e trabalhos relacionados a fotos desfile e presenças Vips em eventos”, relata Martins.

Em agosto de 2015  foi eleita Miss Serra Talhada dando inicio ao processo de mudança que transformou a sua vida. Ela deixou a família e o curso de Direito para ir morar no Recife. “Desde que fui eleita, vim para o Recife a fim de me preparar melhor para buscar o tetra. Hoje estou numa agência que trabalha com diversas misses. Faço curso de inglês que é um dos atributos que a miss tem que ter. Concluí meu curso de oratória. Tudo isso visando o maior título de beleza de Pernambuco”, relata a serra-talhadense.

Durante toda esse jornada Tallita demonstrou extrema disciplina e otimismo, “Espero trazer o 4º título para Serra Talhada, pois venho me preparando dia e noite para isso desde que fui eleita”, disse a jovem em entrevista em março deste ano. Nesta entrevista, ela também declarou: “hoje é motivo de orgulho para mim ser a representante da beleza feminina de minha cidade”.
Todo esforço de Tallita foi enfim recompensado, ela agora passa a figurar no roll das eternas misses, que conta com os nomes de Cilene Aubry(1974), Fátima Moutato (1975) e Matilde Terto (1976). A expectativa fica agora em relação a chegada da nova Miss Pernambuco, já que na década de 70 havia uma recepção de gala, com desfile em carro aberto e carreata pela cidade. Nós que fazemos o FAROL parabenizamos a nossa Miss Pernambuco, assim como já prevíamos que ela seria a campeão ainda em agosto do ano passado (http://faroldenoticias.com.br/opiniao-depois-de-40-anos-serra-talhada-podera-ter-novamente-uma-miss-pernambuco/), agora dizemos; Pernambuco vai ser pequeno pra você! Parabéns Tallita, o povo de Serra Talhada e a memória da cidade agradecem!

Um forte abraço e até a próxima!

quarta-feira, 27 de julho de 2016

PROFFISSÕES ESQUECIDAS: Há 28 anos no ramo, conheça o pasteleiro que sonha em passar num concurso em Serra Talhada


pastel 2
Reportagem de Paulo César Gomes, com fotos de Alejandro Garcia

Diante da crise financeira que assola o Brasil, o mercado informal tornou-se uma oportunidade para a sobrevivência de muitas famílias brasileiras. Entre as tantas atividades informais existentes, a série de reportagens PROFISSÕES ESQUECIDAS, destaca hoje a de pasteleiro. As fotos são do “man drone” (versão brasileira do homem drone), Alejandro Garcia, repórter fotográfico do FAROL.

Não existe uma data exata da chegada do pastel ao Brasil, segundo algumas fontes de pesquisa, o alimento de massa e com diferentes opções de recheio, chegou por volta de 1940, trazida por imigrantes japoneses. Quase nada se sabe sobre a chegada do pastel ao Sertão Pernambuco.


Um dos mais antigos pasteleiros de Serra Talhada é Antônio de Melo Souza, de 43 anos, há 28 anos exerce a profissão. Toin do Pastel como é mais conhecido, chama a atenção pela forma atenciosa que atende os clientes. “Gosto do que faço e tenho orgulho da minha profissão. Gosto de tratar bem os clientes, pois faço os meus pasteis especialmente para a alegria deles”, declara o pasteleiro.

ROTINA QUE COMEÇA NA MADRUGADA

Toin é casado e é pai de 4 filhos, e reside no bairro da Caxixola desde a infância. Sua rotina de trabalho começa cedo, já que tem que preparar a massa para ir ao forno antes do sol nascer. “Acordo todo dias às 3h da manhã, preparo a massa de trigo com aproximadamente 4 a 5 pacotes. Ás 4h coloco os pasteis para assar no forno. Ás 8 horas eu saio com minha carroça pra o centro com cerca de 70 a 80 pasteis”, explica o bravo pasteleiro.

Após andar mais de 2 Km com sua carroça, percurso no qual já começa a vender, Toin se posiciona em ponto bastante movimento da cidade que é o “beco do Banco do Brasil”. Logo que chega uma fila de gente se forma em torno de sua carroça, todos atrás de consumirem o popular e saboroso pastel. “Meu pastel é simples, custa R$ 2,00 apenas, com direito a copo de suco”, o ambulante completa dizendo que “apesar de ser simples as pessoas comem com vontade”.

Segundo Toin a sua renda mensal é aproximadamente de um salário mínimo e meio. Foi através da venda de pastel que ele conseguiu construir a sua casa própria. Apesar de viver na profissão há bastante tempo, Toin não esconde que se pudesse teria escolhido outra profissão. “Meu sonho era ter feito um concurso federal, ter um emprego, ser concursado”. Mesmo com a frustração ele concluiu com bastante otimismo, “trabalhar para gente mesmo é digno, dando pra sobreviver está ótimo!”.

Um forte abraço e até a próxima PROFISSÕES ESQUECIDAS!
pastel
pastel 3
pastel 4

OPINIÃO: A renúncia de Dr. Nena Magalhães e o mito do pé de Juá; semelhanças de uma morte anunciada

Por Paulo César Gomes, Professor, escritor e colunista do Farol

Faltou um pé de Juá pra Dr. Nena Magalhães! Talvez a expressão possa até parecer irônica, mas na verdade sintetiza o cenário o qual levou o médico a renunciar a mais uma candidatura. No entanto, antes de chegar à metáfora do pé de juá é preciso que se destaque as inconsistências que levaram a derrocada do petebista.

Nena surgiu no cenário pré-eleitoral como um furacão. Dono de declarações fortes e contundentes, acabou gradativamente demarcando o seu terreno, ao mesmo tempo em que se desgarrou da oposição oficial (posição ocupada pelo PR por ter sido derrotado em 2012), ao ponto de não conseguir reunir forças para manter a sua candidatura, mesmo ele pontuando nas últimas pesquisas como o segundo colocado.

Outro elemento foi à contradição no seu discurso em relação aos governos Lula/Dilma, que se formou sempre em tom de criticas, diferente do líder do seu partido, o senador Armando Monteiro, que defende as gestões petistas. Nessa linha, soa que se destacar o embaraço do mote da nova política e o combate as velhas raposas. Por ser um velho personagem da política local, o mote acabou virando uma grande arapuca para o doutor.

Muitos dirão que o decisivo na atitude do médico foi a debandada do PMDB. Até certo ponto isso influenciou, no entanto, a grande questão foi à falta de um Juazeiro (pé de juá). A citada planta, popular por dar frutas pequenas e de sabor discreto, também é conhecida na região por ser verde durante todo ano e por propiciar uma grande sombra.

Pois bem, a candidatura de Dr. Nena naufragou por não ter um grupo político capaz de garantir sombra o ano todo e nem um misero juá para saciar a fome de dezenas de “famintos”.
Desta forma, o processo polarizou-se entre as estruturas de dois palácios: o do Campo das Princesas (Governo do Estado) e o Luiz Lorena (Prefeitura Municipal). São desses locais que saem as toneladas de Juá que matam a fome de milhares de famintos.

Mesmo sendo um político vivido, o petebista não seu deu conta do desenho político que se formava ao seu redor, acabou sofrendo algumas rasteiras bem na hora em que se preparava pra entrar em campo. Resta-lhe agora o caminho de volta ao ninho petista, seguindo assim o roteiro traçado por Armando Monteiro, de aliança entre PT e PTB em Serra Talhada. Lembrando que agora o PTB entra na coligação pegando “bigú”, já que a cabine e os acentos do caminhão de Lulu já estão preenchidos.
As grandes lições disso tudo são as de que só existem dois grupos políticos em Serra Talhada e de que sem discurso e estrutura uma terceira via dificilmente chegará à prefeitura municipal.

Um forte abraço e até a próxima!
charge 17